POESIA ALGUMA

Nada como o tempo e tê-lo vivido
Experimentar as mudanças de um alheio passado
Desatar nós que não se sabiam dados
Acolher o abraço há muito oferecido
Descobrir-se rico sempre tendo sido
Livrar-se de pedras já sem alvo
Alvorecer o novo
Não reter o cair da areia
Páginas que viro, antes tarde.

Rodrigo Vaz © Poesia Alguma 2017 - 2022

Desenvolvido por