POESIA ALGUMA

o que é não carece de criação
nós sonhamos o mundo é
o mundo é de muitos modos
em nós ele não raro se engana
nós que não desfiamos a trama

somos o mundo em sonho
enquanto dançam os elementos
elementos ao espelho acordamos
nossa alegria no reflexo se espia
mas da dança a fonte ignoramos

sem fim pois começo é sem começo
em nosso engano o somos ao avesso
nós: um seu instante que desperta
ser é saber-se o outro, o mundo
a sorrir de se ver por um segundo

Rodrigo Vaz © Poesia Alguma 2017 - 2024

Desenvolvido por