POESIA ALGUMA

Através dos céus

Viver é dançar com os ponteiros
Incansáveis do devir
Morrer é só o mundo que volta a dormir
A poesia é o mundo deslumbrado
Diante de si mesmo no espelho
Galáxias cirandam a valsa do silêncio
Uma luz antiga aporta ao cais
De nossos olhos
Eis tudo o que somos: cais de luz
Enquanto os sábios buscam o mundo
Nos seus cálculos
A poesia move o mundo
Nos seus versos
Somos leitos de sonhar

Rodrigo Vaz © Poesia Alguma 2017 - 2023

Desenvolvido por

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.